O design thinking como ferramenta estratégica para o pequeno e médio empreendedor

O design thinking como ferramenta estratégica para o pequeno e médio empreendedor

Usar o pensamento do design para criar soluções para o seu negócio junto com seus clientes pode parecer bastante simples, mas é justamente o diferencial de que todo empresário precisa.

Quando pensamos em design, é natural vir a nossa mente a questão estética. Facilmente reconhecemos o design como sendo algo exclusivo do mundo das marcas, cartões de visita, estampas, produtos e embalagens incríveis.

Porém, uma nova forma de encarar o design vem ganhando destaque no mundo dos negócios.

Como todo o destaque o risco de virar um modismo existe e com o design thinking não é diferente. Muito se fala sobre ele, porém muito pouco se refere ao design thinking como ele realmente é. Não se trata de mais uma “metodologia” ou “especialização” de alguma área de negócios. Sua tradução literal do inglês revela de maneira bem direta o conceito que ele se propõe: design thinking é a maneira de pensar do designer.

E esse jeito de pensar e encarar qualquer problema ou desafio vai muito além dos post-its coloridos. Trata-se de uma forma de atuação mais holística (buscar enxergar a situação como um todo) e de maneira cíclica (onde sempre se busca se revisitar o que já foi feito) para criar soluções inovadoras em qualquer tipo de projeto, independente da área de atuação profissional.

Essa forma de encarar os problemas a serem resolvidos extrapola apenas a questão da estética, devolve ao design sua função estratégica com a qual nasceu e para a qual o retorno só tem a trazer benefícios ao empresário que a aplica no seu negócio.

A essência do design

O grande diferencial do pensamento de design está justamente na sua orientação. Ou seja, quando usamos o design, ou melhor o pensamento do design (Design Thinking) em um projeto, significa que todo o nosso esforço é direcionado para as pessoas envolvidas no contexto, considerando clientes, colaboradores, usuários e outros atores.

Para o design thinking a inovação não necessariamente envolve a criação de uma tecnologia de ponta, mas se concentra em gerar um valor relevante e que seja percebido pelo cliente que faz uso dela.

Pensar como um designer dentro do seu negócio pode ser justamente o que está faltando para você e sua empresa entreguem o valor que seus clientes gostariam. O que ouvimos muito por aí sobre a empatia numa visão de negócios, nada mais é do que fazer uma imersão pelo mundo dos clientes e entender que necessidades, desejos e expectativas eles realmente têm e não os que muitas vezes o empresário acha que têm. Essa pequena mudança na maneira de pensar (mindset) já é suficiente para começarmos a agregar mais valor e desejabilidade naquilo que queremos vender

Não há necessidade de ir a fundo em técnicas complexas e pesquisas de mercado. Talvez tudo de que uma empresa precisa para fazer sentido para o seu cliente é justamente estar próximo deles no dia a dia, dialogando e entendendo o seu ponto de vista.

O design thinking usado como estratégia pode ajudar também as pequenas e médias empresas a reavaliar como seus padrões e rotinas podem estar tomando um tempo precioso e inibindo o desenvolvimento. Para um formato de negócio de tamanho menor, isso pode ser o segredo para se “pensar fora da caixa” e inspirar a empresa a alcançar a novos patamares.

O processo do design thinking como ferramenta para ajudar na resolução de problemas

Outro meio de definir o Design Thinking é chamá-lo de técnica baseada em soluções para resolução de problemas.

O raciocínio por trás o “modo de pensar do design” (design thinking) é uma abordagem para a resolução de problemas que se concentra nas pessoas. Dessa maneira procura entender os requisitos de uma pessoa/cliente/consumidor, e depois com técnicas de observação, coleta de dados e brainstorm (sessões criativas em grupo), criar soluções para satisfazer essas necessidades descobertas e levantadas durante o processo.

Como funciona na prática na minha empresa?

Para os proprietários de pequenas empresas, o design thinking simplesmente implica a aplicação desse processo repetitivo de detecção de necessidades dos clientes para o desenvolvimento de novas soluções a procedimentos ou sistemas de serviços mais complexos adaptados a realidade do negócio.

O processo para usar o design thinking é composto de 5 partes:

·      Entendimento (Empatizar) - entender o problema sob o ponto de vista do cliente

·      Ideação – Criação de possíveis soluções

·      Prototipação – criar protótipos das melhores soluções escolhidas

·      Teste - Testar e avaliar as soluções

·      Interação - Aplicar a solução validada

1 Parte: Entendimento.

Essa é sobre deixar de lado todas as seus pré-julgamentos e entrar na mente do seu cliente. Coloque-se por conta própria jornada do cliente:  quando um cliente sai da sua loja sem comprar nada ou age de maneira específica em relação ao seu serviço, quais seriam os fatores por trás dessas ações?

É hora de entender o problema sob o ponto de vista dele... e ver se o problema ou dor que você acredita estar resolvendo é realmente a que você precisa atender. Identificar a exigência secreta do consumidor é o primeiro passo para determinar uma nova solução. Certifique-se de gastar tempo conversando com alguns de seus clientes ou trabalhadores para realmente alinhar sobre realmente qual é o problema principal.

2 Parte: Ideação

A seguir, explore todas as soluções possíveis. Faça um brainstorming para ter algumas ideias que você normalmente não consideraria. Durante esta fase, não há ideia maluca: o propósito e a meta é pensar da maneira mais criativa e inovadora possível, gerando o máximo possível de possíveis soluções.

3 Parte: Prototipação

Depois de ter gerado o máximo de novas ideias possíveis a serem aplicadas ao seu problema, volte a sua lista e escolhas as melhores que você irá testar junto aos seus clientes. Prototipação ou melhor fazer protótipos; é a fase em que você e seu time irão materializar as melhores ideias escolhidas e colocá-las em contato com seus clientes para colher as informações.

4 Parte: Teste e validação

Pode ser que durante esse processo algumas de suas ideias sejam rejeitadas ou ainda não estejam totalmente prontos; tudo bem!

Essa parte é onde estamos colocando prova nossas suposições e ideias que poderão solucionar o problema levantado, então toda a observação dos clientes é valida. A chave é continuar testando e melhorando os protótipos seguindo as observações dos seus clientes até chegar numa versão final aprovado por eles.

5 Parte: Interação

A aplicação da solução validada é o estágio em que os proprietários de negócios gastam mais dinheiro, tempo e energia. No entanto, se você seguiu o restante das ações corretamente, esta também é a fase em que começará a ver os resultados da sua inovação impactar seus resultados financeiros. Parabéns!

Por fim, pensar como um designer (aplicar o design thinking) dentro do seu negócio pode ser justamente o que está faltando para que você como empreendedor entregue o valor que gostaria aos seus clientes. Fazer uma imersão pelo mundo deles e entender quais as necessidades, desejos e expectativas eles realmente têm, pode tornar seu negócio mais humano, desejável e inovador